23 de set de 2011

Por que ainda não recebemos a chuva serôdia???

Por que o Espírito Santo Ainda Não Foi Derramado como "Chuva Serôdia"?
Tem que haver alguma explicação!

“Quando ele falará?” pergunta o devoto judeu ortodoxo, com angustia e perplexidade. Até o dia de hoje, sente-se sinceramente perplexo quando medita atento nas antigas predições que o Senhor fez a Abraão, Isaque e Jacó. “Quando o Deus de nossos pais despertará e cumprirá suas promessas

tão esperadas de enviar um Messias para Israel? Quando fará de Jerusalém o júbilo de toda a terra? Ou será que nossos grandes anseios messianicos terão sido vãos?”

Os judeus que possuem o privilégio de ir aos lugares santos de Jerusalém, reunem-se no muro das lamentações, no lado sudoeste da antiga área do templo. Ali então se derramam em súplicas e lamentações ao Deus de seus pais.

Você não gostaria de dar um toque no ombro e dizer-lhes: “Amigos, podem parar de lamentar-se! O Deus de Abraão, Isaque e Jacó não tem dormido e nem está descuidado. Ele já cumpriu a Sua promessa! Enviou fielmente o Messias na pessoa de Jesus de Nazaré! O único problema é que seus antepassados não o reconheceram e o crucificaram”.

Poderia ser que para os devotos adventistas também tivesse uma versão própria do muro das lamentações?

Analise a quantidade incontável de chamados e apelos feitos aos fiéis para orar, nas semanas de oração anuais, nos sermões das reuniões de reavivamento, nas Assembléias da Associação Geral e nas Anuais, para que o Senhor cumpra Sua promessa e abra as janelas do céu para derramar sobre Seu povo os aguaceiros refrescantes da chuva serôdia. Desde que E. White descreveu sua visão de 14 de maio de 1851, relativa ao “refrigério” da “chuva serôdia” (Primeiros Escritos, pág. 71), o adventismo tem acariciado a esperança de que algum dia Deus possa finalmente outorgar a benção e levar a obra mundial de testemunho a um final triunfante.

A chuva serôdia consiste no último dom do Espírito Santo para amadurecer o grão do evangelho para a colheita, da mesma maneira que as chuvas que precediam a colheita na antiga Palestina permitiam o cumprimento dos sonhos dos agricultores. A chuva serôdia resultaria no alto clamor da mensagem do terceiro anjo e na gloriosa iluminação de toda a terra com sua glória. Então o Senhor poderia vir com poder e grande glória!


Por que estas súplicas de mais de um século não têm sido confirmadas? Porque depois de cada convocação se segue a sensação de frustração por não ver a chuva serôdia?

São estas as perguntas que fazem as pessoas que pensam, especialmente os jovens. Por que se consagrar a uma vida de sacrifícios se os anseios escatológicos que abrigaram os pioneiros parecem tão remotos? Evidentemente, a segunda vinda de Jesus não poderá ter lugar até que os eventos tão esperados sejam produzidos. Porém para muitos adventistas em muitos lugares, a segunda vinda se desvanece nas sombras da incerteza. Da mesma forma que os devotos judeus chorando pelo regresso do Messias, trata-se de esperar contra toda a esperança como se os pioneiros, depois de tudo, estivessem enganados. De fato, a honra do Deus dos pioneiros está em jogo. Ele é fiel? Ainda vive?

Seguramente, seres celestiais desejam dar-nos um toque no ombro e dizer-nos: “Cessai vosso lamento por petições sem resposta! Vossas petições durante 130 anos já foram respondidas. O Senhor cumpriu Sua promessaaos pioneiros. Deus já enviou o princípio da chuva serôdia e do alto clamor. O único problema é que vossos pais falharam em reconhecer o dom celestial quando este foi outorgado, e o rejeitaram da mesma forma que os judeus rejeitaram o Messias a dois mil anos”.

Tal notícia é um tanto surpreendente para a maior parte dos adventistas hoje como seria seu equivalente para os judeus no muro das lamentações. E no entanto, esta correta.

No Índice dos escritos de E. White (Vol. 2, p. 1581) se encontram um tênue indício de tão tremenda notícia, debaixo do título “Alto Clamor”, de forma que podemos comparar ao ligeiro tremor de terra que em Qumram conduziu ao descobrimento de imensa riqueza de manuscritos nas cavernas ocultas. A introdução expressa claramente: “O Alto Clamor: já começou na revelação da justiça de Cristo”. Seguindo o índice, vamos até a declaração que diz: “O tempo de prova está precisamente diante de nós, pois o alto clamor do terceiro anjo já começou na revelação da justiça de Cristo, o Redentor que perdoa os pecados. Este é, o começo da luz do anjo cuja glória encherá toda a terra” (Testemunhos Seletos, vol. I, p. 425).

Este texto não se refere simplesmente a uma obscura declaração de certabênção temporal concedida em algum momento de nossa história passada, mas é asurpreendente afirmação de que as brilhantes promessas escatológicasacariciadas por nossos pioneiros no adventismo, desde 1851, tiveram seucumprimento em algum momento, pelo menos o “começo” delas.

A declaração anterior foi tomada de um artigo da Review and Herald datado de 22 de novembro de 1892. “A revelação da justiça de Cristo” é uma clara referência à mensagem de 1888, estando então no seu quarto ano de desconcertante rodeio por nossa história. Fazendo a devida reflexão, uma animada E. White esteve disposta a qualificar esse momento na mensagem como “o princípio” do derramamento final do Espírito Santo que iluminaria a terra com a glória do quarto anjo de Apocalipse 18.

Porém essa declaração causa certos problemas incômodos. Se a mensageira inspirada teve o discernimento para reconhecer o significado da mensagem de 1888, por que já se passou um século desde então? Apenas três anos antes que se começasse a ouvir da mensagem de 1888, E. White havia declarado que quando a chuva serôdia e o alto clamor finalmente começassem, “a obra se estenderia como fogo na palha”.

Realmente, “os acontecimentos finais serão rápidos” (Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 280). No entanto, desde 1892, data em que se fez a declaração, tem havido um progresso dolorosamente lento. As pessoas estão nascendo no planeta mais rapidamente do que podemos alcançá-los com a mensagem. Cada ano que passa nos deixa com uma obra cada vez maior de testemunho por completar.

O orgulho denominacional pode racionalizar esquecendo despreocupadamente o assunto, mediante discursos de grande progresso programático, mas a maioria dos adventistas sinceros confessaram sua real convicção de que a terra, simplesmente, não está sendo iluminada com a glória da mensagem deste “outro anjo”.

Quando ele falará?

Quatro anos depois da declaração de 1892, E. White registrou com franqueza o que havia ocorrido. Encerrava-se uma era de brilhante esperança por uma razão muito concreta:

“A falta de vontade em renunciar a opiniões pré-concebidas e aceitar esta verdade foi a principal razão da oposição manifestada em Minneapolis contra a mensagem do Senhor exposta pelos irmãos [E.J.] Waggoner e [A.T.] Jones. Despertando esta oposição, Satanás teve êxito em impedir que fluísse até nossos irmãos, em grande medida, o poder especial do Espírito santo que Deus desejava comunicar-lhes. O inimigo os impediu que obtivessem esta eficiência que poderia ter sido sua para levar a verdade ao mundo, da mesma maneira como os apóstolos a proclamaram depois do dia de Pentecostes. Foi resistida a luz que deveria iluminar toda a terra com sua glória, e em grande medida tem sido mantida longe do mundo pela ação de nossos próprios irmãos.” (Mensagens Escolhidas,vol. I, p. 276).

Analisemos esta declaração feita em 1896:

  • “O poder especial do Espírito Santo” que Deus desejava comunicar aos nossos irmãos em 1888 tinha um alcance verdadeiramente pentecostal. 
  • Esta mensagem teria proporcionado “eficiência” ao levar as verdades adventistas “ao mundo”, obviamente incluindo as regiões mulçumanas, budistas, hindus e pagãs. Haveria permitido a inexperiente Igreja Adventista, fraca tanto em número quanto em recursos materiais, conhecer a mesma classe de êxito que desfrutaram os primeiros apóstolos, “vencendo e para vencer” (Apoc. 6:2). É evidente que havia poder na própria mensagem. 
  • A luz trazida por A.T. Jones e E.J. Waggoner foi o começo do cumprimento da profecia da vinda do poderoso quarto anjo de Apocalipse 18, onde graças a sua luz “a terra [deveria ser] iluminada com sua glória” Apoc. 18:1 e 14:9). 
  • “Satanás teve êxito” “em grande medida” ao evitar que a luz fosse recebida por nossos irmãos, mantendo-a assim longe do mundo. Este simples fato explica o século de esterelidade espiritual que sobreveio a nossa obra missionária mundial, incluindo a perca de nossa obra na China e a impotência e frustração espiritual em muitas outras áreas. Se a chuva serôdia é o refrigério espiritual, sua ausência deve significar seca espiritual! 
  • Os agentes que Satanás empregou para levar a termo seu propósito foram “nossos próprios irmãos”, cujo “proceder” consistiu na resistência e na rejeição. Deve ser reconhecido com justiça, que “nossos próprios irmãos” refere-se primariamente aos líderes da Associação local e geral da época, agindo em nome da igreja tal como fizeram os líderes judeus, em nome de sua nação, ao rejeitarem o tão esperado Messias. 
  • Que fazer com estas inquietantes realidades que tem sido o tema de décadas de perplexidade? Anular a evidência ou desviar da verdade obvia não é a forma de encontrar a solução para nossas dificuldades. Jamais satisfará as mentes honestas.
  • Os judeus há séculos têm tido um problema similar, ao tentar explicar para seus próprios filhos por que o Messias aguardado não apareceu. Algo embaraçoso. Quando Joseph Wolf pediu insistentemente para seu pai lhe explicar quem era o Servo Sofredor de Isaías 53, se não era Cristo, seu pai lhe proibiu severamente para nunca mais fazer esta pergunta. O único proceder seguro para nós, é receber de boa vontade a plena exposição da verdade! A igreja nunca estará motivada a terminar a obra mundial do evangelho até que tenha uma compreensão exata do por que a vinda do Senhor tem sido adiada por tanto tempo, e renove sua confiança escatológica nos pioneiros.

Seguramente se pode confeccionar uma longa lista de razões para a demora. Mas a direta solução de todas elas seria provida pelo derramamento verdadeiramente pentecostal do Espírito Santo na chuva serôdia de 1888. Portanto, a rejeição desta inspirada solução para nossos problemas constitui a causa básica do prolongado atraso, e merece atenção especial desta geração. Da mesma maneira que o problema básico dos judeus passados dois mil anos é sua rejeição ao Messias.

A comparação de nossa rejeição da luz em 1888 com a rejeição de Cristo pelos judeus, não é uma comparação forçada. Desde a época da assembléia de 1888, e também nos anos seguintes, E. White mostrou-se persuadida de que estávamos repetindo a tragédia da incredulidade dos antigos judeus:

“Quando repasso a história da nação judaica e vejo a forma como tropeçaram por não andar na luz, tenho compreendido onde podemos ser levados como povo se recusarmos a luz que Deus nos dá. Têm olhos e não vêem, ouvidos e não ouvem. Agora, irmãos, se nos tem sido enviada luz, e queremos estar onde podemos apegar-nos a ela... Vejo vosso perigo e quero preveni-los...

Se os ministros não recebem a luz [concedida na própria assembléia de1888], quero dar ao povo uma oportunidade; quem sabe eles poderão recebe-la...Como a nação judaica” (Manuscrito 9, 1888; sermão pronunciado em 24 de outubro de 1888; A.V. Olson, Through Crisis to Victory, p. 292).

Oito dias mais tarde, ela repetiu:

“Quando os judeus deram o primeiro passo para a rejeição de Cristo,deram um passo perigoso. Quando posteriormente acumulou-se a evidência de que Jesus de Nazaré era o Messias, tiveram demasiado orgulho para reconhecer que haviam errado.

... Eles [os irmãos], da mesma maneira que os judeus, davam por certo que possuíam toda a verdade, e sentiam certa animosidade contra quem pudessem supor que tivessem idéias mais corretas que eles próprios quanto à verdade. Decidiram que toda evidência acumulada não teria para eles mais peso que a palha, e ensinaram aos outros que a doutrina não era verdadeira, e mais tarde, quando vieram para a luz, estavam tão acostumados a condenar, tinham demasiado orgulho para dizer “equivoquei-me”; todavia acariciam a dúvida e a incredulidade, e são demasiados orgulhosos para reconhecer que suas convicções...

Não é conveniente para um destes homens jovens [Jones ou Waggoner] entregar-se a uma decisão neste encontro, onde a oposição, mais que a investigação, está na ordem do dia” (Manuscrito 95, 1888; sermão de 1º de novembro de 1888; Olson, Through Crisis to Victory, p. 300, 301).

Em 1890, Ellen White chama a atenção do povo para o tema de “como os judeus”:

“Aqueles a quem Cristo tem dotado de grande luz, aqueles que Deus tem cercado de preciosas oportunidades, estão em perigo, caso não andarem em Sua luz, de encher-se de opiniões orgulhosas e exaltação própria como fizeram os judeus.” (Review and Herald, 4 de fevereiro de 1890).

Que não nos encontre entregues a subterfúgios e na colocação de ganchos onde colocar as dúvidas quanto à luz que Deus nos tem enviado. Quando vossa atenção é levada a um ponto de doutrina que não compreendeis, colocai-vos de joelhos, para que possais compreender qual é a verdade, e que não sejais achados, como aconteceu com os judeus, lutando contra Deus...

Durante cerca de dois anos temos alertado as pessoas a vir e aceitar a luz da verdade concernente a justiça de Cristo, e elas não sabem o que fazer, se abraçam ou não esta preciosa verdade (Id, 11 de março de 1890).

Por quanto tempo se manterão afastados da mensagem de Deus os que estão à cabeça da obra? (Id, 18 de março de 1890).

Se pudéssemos dizer algo em auxílio dos judeus no muro das lamentações, seria no sentido de impeli-los a estudar de primeira mão os registros existentes sobre Jesus de Nazaré, para que pudessem vê-lo no cumprimento das profecias que em vão esperam para o futuro.

Seria igualmente sensato para nós que estudássemos de primeira mão o registro existente da própria mensagem de 1888, e permitíssemos que sua gloriosa luz brilhasse em nossos corações hoje. A mensagem de 1888, tal como foi proclamada pelos mensageiros originais enviados pelo céu, abunda em conceitos que expandem a mente, desconhecidos em sua prática totalidade pela geração atual.

Uma vez cumprido nosso dever e tendo compreendido bem qual foi o princípio da chuva serôdia e o alto clamor, estaremos mais bem preparados para compreender o presente, rejeitar falsificações e enganos, e enfrentar o futuro com uma mensagem restauradora para os homens, que acelerará o retorno de nosso Senhor.

Esse é o propósito deste livro, cuja tradução em português estará sendo disponibilizada on-line, à medida que seus capítulos forem traduzidos.

*L.E. Froom, em Movement of Destiny dedica dois extensos capítulos, o 1º e 2º, ao tema da “Demora da segunda vinda: motivos divinos desvendados” (p. 561-603). Sua leitura leva facilmente a confusão e ao desânimo. A única solução simples para todos os problemas que tem retardado o retorno de Cristo é a fé. Fé genuína, fé incondicional em Cristo. A mensagem de1888 tinha por objetivo suprir a falta dela.

Tradução: C.H.


Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...